Perguntas frequentes

A incapacidade intelectual é uma condição relativamente comum, com prevalência de cerca de 1,5% nos países ocidentais. Embora muitas vezes não seja possível determinar uma causa clara da incapacidade intelectual, a sua ocorrência é certamente influenciada por complexos fatores de risco biomédicos, sociais, comportamentais e educacionais. Mudanças na compreensão do fenómeno global da incapacidade também tiveram um impacto significativo na conceptualização da incapacidade intelectual, o que necessariamente levou a mudanças na terminologia utilizada. Os seguintes modelos de incapacidade são descritos com mais frequência na literatura: modelo moral, médico, de reabilitação, social e de diversidade.

Apesar das mudanças na compreensão do fenómeno da incapacidade e na terminologia utilizada, as pessoas com incapacidade intelectual ainda estão expostas à estigmatização e à marginalização.

Embora a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Incapacidade obrigue os países signatários a "garantir um sistema educacional inclusivo em todos os níveis", os alunos com incapacidade intelectual frequentam escolas especiais primárias e secundárias com mais frequência do que os alunos com outras formas de incapacidade, e a falta de dados estatísticos relativamente a alunos no processo educacional poderá ocultar o estado real da educação inclusiva. O ensino pós-secundário de alunos com incapacidade intelectual no espaço europeu do ensino superior é muito raro.

A interpretação de termos como educação para alunos com deficiência, educação inclusiva e escola inclusiva varia consideravelmente entre os países europeus.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (ONU, 1948), no art. 26, lança as bases para o sentido de “inclusão educacional”, ainda que não a nomeie explicitamente: «Todas as pessoas têm direito à educação. A educação deve ser orientada para o pleno desenvolvimento da personalidade humana e para o fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. Deve promover a compreensão, tolerância e amizade entre todas as nações, grupos raciais ou religiosos, e deve promover as atividades das Nações Unidas para a manutenção da paz”. Este artigo afirma o princípio constitutivo da educação inclusiva, onde se estabelece o direito de todos à educação e se esclarece que a tarefa da instituição de ensino não se esgota na transmissão de conhecimentos.

Na Declaração Mundial de Educação para Todos (UNESCO, 1990) é definido o movimento denominado Educação para Todos (EPT), que visa proporcionar educação básica de qualidade para todos.

«Isso significa ser pró-ativo na identificação das barreiras que muitos encontram no acesso às oportunidades educacionais e identificar os recursos necessários para superar essas barreiras. A educação inclusiva é um processo de fortalecimento da capacidade do sistema educacional de chegar a todos os alunos e, portanto, pode ser entendida como uma estratégia-chave para alcançar a EPT. Como princípio geral, deve nortear todas as políticas e práticas educacionais, partindo do fato de que a educação é um direito humano básico e o fundamento de uma sociedade mais justa e igualitária».

Fica aqui claro que a inclusão é um valor transversal, cuja presença caracteriza o modo de ser do sistema escolar, também do ponto de vista organizacional e administrativo, e orienta a sua ação segundo a lógica da igualdade, igualdade de oportunidades e participação.

No entanto, a investigação na Europa sobre o tema da inclusão de alunos com incapacidade intelectual em contextos universitários é pouco desenvolvida. Além disso, existe uma falta de recolha de dados em toda a Europa sobre o número de alunos com incapacidade intelectual que realizaram percursos de ensino pós-secundário ou superior, o que não favorece a conceção de políticas de inclusão.

Um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) é uma sala de aula virtual que permite que professores e alunos se comuniquem online. Informações sobre aulas, materiais de aprendizagem e tarefas normalmente são fornecidos pela web. Os alunos podem fazer login no site da aula para ver essas informações e também podem descarregar tarefas e materiais de leitura obrigatórios para os seus computadores. Alguns AVA permitem até que tarefas e testes sejam realizados online. Aqui, o professor pode comunicar com os alunos em tempo real por meio de videoconferência ou webconferência. Os ambientes virtuais de aprendizagem são um método popular de e-learning, que se refere à aprendizagem por meios eletrónicos. Embora um AVA não possa substituir totalmente a sala de aula tradicional, pode ser uma maneira útil de ensinar alunos que residem em muitos locais diferentes.

Entre as vantagens mais importantes dos ambientes virtuais de aprendizagem estão: acessibilidade, flexibilidade, personalização, economia de tempo e custos, informação imediata e o seu caráter internacional.

Alguns projetos que utilizaram um AVA e onde a sua aplicação foi um sucesso.

• Projeto INTENT (Integração de Redes Telecolaborativas ao Ensino Superior de Línguas Estrangeiras).

• Projeto Erasmus + CET (Comunicação e educação pela Transmedia)

• Projeto Erasmus + AMEDY (Active Media Education for the Disabled Youth).

• Projeto Erasmus + SUSKIDS (Competências de Sustentabilidade para a Síndrome de Down).

Depois de projetar e implementar um AVA, é de grande importância avaliá-lo para ter certeza de que está a ser usado para propósitos específicos.

No que diz respeito à avaliação do próprio sistema, é importante considerar o seguinte:

Ao avaliar o AVA, é importante avaliar em que medida a escolha do AVA também agrega os benefícios a ele associados. Além disso, também é importante avaliar o conteúdo.

No que diz respeito à avaliação do processo de aprendizagem dos participantes, é importante considerar que, se se pretender obter mais informações sobre o processo de aprendizagem dos participantes, a situação inicial dos participantes deve ser sempre clara.

Para a avaliação do curso de treinamento dentro do projeto TUT4IND, a avaliação se concentrará tanto no design e conteúdo do treinamento quanto no processo de aprendizagem dos participantes.

Durante o processo de conceção do AVA e do conteúdo da formação, será realizada uma avaliação formativa com poucos participantes ou público-amostra, a fim de garantir que o eventual AVA seja sólido. Quando os participantes tiverem concluído a formação final, haverá uma avaliação sumativa, que avaliará o impacto e o conteúdo do curso.

Conhecimentos básicos de informática: Conhecimento das seguintes plataformas de eLearning: MOOC, MOODLE, etc.

As inscrições para o curso serão realizadas com base em convocatórias anteriores.

Quantidade de vagas em cada chamada: máximo 25, para a conclusão de todos os módulos, mais cinco vagas em cada módulo para que sejam frequentadas de forma independente. Se o curso completo não for realizado, pode-se obter um certificado de realização do (s) módulo (s) específico (s), mas um certificado que reconhece competência para ensinar alunos com incapacidade só é obtido se todo o curso tiver sido feito.

A convocatória é para a realização de todo o curso, com mais 5 vagas reservadas para módulos específicos.

O cronograma do curso incluirá as datas de início e término de cada módulo de formação e prazos para entrega e conclusão das atividades de avaliação. Terminando esses prazos, será aberto um prazo extraordinário para a conclusão de qualquer módulo que esteja pendente. O prazo para a conclusão de cada módulo, e do curso como um todo, será determinado após a definição do curso.

O curso contará com o apoio de um profissional de apoio, que irá orientar e orientar os alunos, tirando dúvidas ou dando mais informações sobre as diferentes disciplinas. Este profissional encarregar-se-á de ministrar duas sessões virtuais, uma inicial e outra final, para esclarecimento de dúvidas e aprofundamento de alguns temas.

A comunicação entre o formador e os alunos ocorre por meio de um fórum MOODLE ou por e-mail.

Para se inscrever no curso, os candidatos devem ser professores do ensino superior e possuir o título de licenciado, mestre ou doutor, ou outro diploma legal, em qualquer área académica.

A Comissão Científica do programa poderá ainda aceitar a inscrição de outros candidatos com currículo académico, científico e profissional relevante, mesmo que não sejam professores do Ensino Superior.

Os candidatos devem indicar interesse por este Programa Especial e ter, pelo menos, um semestre de experiência profissional na docência.

 

Após a conclusão da formação, os professores conhecerão os princípios básicos da educação inclusiva e terão um conhecimento básico das leis relativas ao ensino superior de pessoas com incapacidade na Europa e ao direito das pessoas com incapacidade intelectual de participarem nesse nível de Educação. Além disso, conhecerão o conceito de DI, bem como as características cognitivas e sociocomportamentais associadas a essa população. Os professores terão conhecimento sobre a inteligência emocional das pessoas com incapacidade intelectual, bem como estratégias para estimular a sua motivação.

Os professores universitários serão instruídos nos princípios da intervenção comportamental positiva e terão conhecimentos básicos sobre como apoiar os alunos no crescimento e desenvolvimento pessoal, como ajudá-los a compreender melhor as consequências das suas próprias escolhas e atividades, como tomar as suas próprias decisões e como melhorar os seus padrões de comportamento.

Os professores também poderão fornecer orientação vocacional para alunos com DI. Eles saberão incentivar escolhas responsáveis ​​e autónomas dos alunos com incapacidade intelectual em termos de ambiente social e de trabalho.

Em última análise, os professores universitários serão capazes de apoiar futuros alunos com incapacidade intelectual na obtenção de oportunidades iguais para concluir seus estudos após a conclusão da formação.

• Conhecimento: Conhecimento abrangente, especializado, factual e teórico dentro de um campo de trabalho ou estudo, e consciência dos limites desse conhecimento.

• Competências: uma gama abrangente de competências cognitivas e práticas necessárias para desenvolver soluções criativas para problemas abstratos.

• Responsabilidade e autonomia: Exercer a gestão e supervisão em contextos de trabalho ou atividades de estudo onde haja mudanças imprevisíveis. Revisão e desenvolvimento do desempenho de si mesmo e dos outros.

Os professores universitários que participarem nesta formação devem ser capazes de:

• Demonstrar conhecimento e compreensão sobre a inclusão, bem como sobre a incapacidade intelectual, adotando estratégias inclusivas e prevenindo processos de exclusão de grupo em ambientes universitários.

• Aplicar os seus conhecimentos sobre inclusão e incapacidade intelectual nas suas atividades de ensino.

• Escolher entre alternativas e formas existentes para remover barreiras de acesso e oferecer oportunidades de aprendizagem significativas.

• Desenvolver competências para a configuração de ambientes de aprendizagem acessíveis aos alunos com DI, promovendo a inclusão e prevenção da exclusão grupal em ambientes escolares.

• Utilizar as tecnologias de informação e comunicação (TIC) como valor agregado para apoiar a participação, o compartilhamento e a comunicação multimodal acessível.

• Estimular a motivação, autoestima e perceção de autoeficácia em alunos com incapacidade intelectual.

 

• Adquirir conhecimentos básicos sobre os princípios da inclusão.

• Conhecer questões-chave relacionadas com a inclusão (perspetiva europeia e dimensão para um quadro comum) e as necessidades das pessoas com incapacidade intelectual em termos de participação em cursos universitários.

• Para melhorar as competências digitais, trabalhando com uma variedade de ferramentas e softwares de ensino.

• Incentivar a participação ativa dos alunos com incapacidade intelectual na vida universitária e no contexto da cidade, envolvendo-os em diversas iniciativas, atividades culturais e desportivas.

O curso consiste em três módulos, cada um contendo quatro tópicos.

Módulo I: Formação Transversal

  •    Tópico 1. Gestão da diversidade e princípios de educação inclusiva
  •    Tópico 2. Deficiência intelectual e de desenvolvimento
  •    Tópico 3. Intervenção em comportamentos problemáticos e qualidade de vida de pessoas com incapacidade intelectual
  •    Tópico 4. Promover a motivação dos alunos com incapacidade intelectual

Módulo II: Didática e Metodologias Inclusivas

  •    Tópico 5. Desenho Universal para a Aprendizagem
  •    Tópico 6. Estratégias de apoio
  •    Tópico 7. Aplicações tecnológicas como ferramentas de ensino
  •    Tópico 8. Técnicas para promoção de aprendizagem

Módulo III: Formação específica

  •    Tópico 9. Inteligência emocional e resolução de conflitos
  •    Tópico 10. Estratégias para estudar
  •    Tópico 11. Orientação vocacional
  •    Tópico 12. Desenvolvimento de competências sociais

Cada tópico é dividido nas seguintes secções:

  • Introdução
  • Referencial teórico e bibliografia
  • Conceitos específicos relacionados ao tema
  • Necessidades específicas de pessoas com DI no tema
  • Atividades
  • Glossário de termos
  • Ferramentas
  • Recursos
  • Sugestões
  • Curiosidades
  • Link