Um manifesto para reivindicar os direitos de pessoas com incapacidades

ubuteincluye

16/06/2021

O Dia Internacional das Pessoas com Incapacidades comemora-se no dia 3 de dezembro.

Por ocasião do Dia Internacional das Pessoas com Incapacidades, alunos com incapacidade intelectual da Universidade de Burgos - através de um projeto financiado pela ONCE, no âmbito do Programa Operacional para o Emprego dos Jovens 2014-2020, cofinanciado pelo Social Fundo Social Europeu- elaborou um manifesto para comemorar este evento.

Neste documento, sob o lema “Da Universidade para o mundo”, os alunos do Curso de Especialização em competências para a Inclusão e Vida Independente", dirigido pelos professores Raquel de la Fuente Anuncibay e José Luis Cuesta afirmam que “dias internacionais são dias para lembrar e reivindicar que as coisas não estão a funcionar bem "e reivindicar e exigir seus direitos." Os direitos que reclamamos estão escritos nas leis e na Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Incapacidades", destacam.

Durante o ano letivo de 2020/21, a Faculdade de Educação realiza a 4ª edição do projeto, através do Curso de Especialização em Competências para a Inclusão e Vida Independente, no qual participam 15 jovens com incapacidade intelectual.

As pessoas com incapacidade intelectual formadas na UBU aproveitaram este dia para apresentar as suas reivindicações e, embora apontem que todos os direitos são muito importantes, nesta ocasião, elegeram quatro direitos essenciais: o direito à igualdade e à não discriminação, educação, privacidade e trabalho.

No manifesto, destacam a preocupação com o direito à igualdade e à não discriminação, lembrando que todas as pessoas são iguais perante a lei, que ninguém pode discriminá-las porque são diferentes e que deve haver uma adaptação de contextos e objetivos para que possam ter as mesmas oportunidades.

As pessoas com incapacidade intelectual precisam de entender a informação e pedem que as tratemos como adultos, elas querem aprender, ter mais cultura, ser mais independentes e autónomas, melhorar a sua autoestima e adaptarem-se melhor na sociedade.

As pessoas com incapacidade intelectual pedem também que a educação seja adaptada a cada pessoa, lembram que precisam de apoios especiais e de escolas e centros de formação em locais seguros e sem bullying. Elas também reivindicam a privacidade no direito aos seus dados e às suas vidas; e defendem a privacidade e o direito ao trabalho para poder viver melhor, não depender de ninguém e mostrar o que podem fazer. “As pessoas com incapacidade intelectual têm menos oportunidades de trabalho e, por isso, pedimos mais apoios e empregos adaptados”.

“Reivindicar - argumentam - significa reivindicar os nossos direitos” e, por fim, afirmam que os direitos que reclamam estão escritos nas leis e na Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Incapacidades.

 

 

 

Ler mais.